“Estação das Clínicas” é um dos cinco livros indicados pelo escritor Luiz Ruffato |Curador|

Nascido em Cataguases, Luiz Ruffato é um escritor brasileiro e colunista no jornal EL PAÍS. Após publicar o romance “Eles eram muitos cavalos”, em 2001, ganhou o Troféu APCA oferecido pela Associação Paulista de Críticos de Arte e o Prêmio Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional. Ruffato tem histórias publicadas em revistas e antologias em línguas como francês, italiano, inglês, espanhol e croata. Convidado pelo Bolha Literária, o escritor mineiro indicou cinco livros especialmente para vocês, leitores.

Estação das clínicas (2016 – Iacyr Anderson Freitas)

foto1
“O mais recente livro do maior poeta da minha geração.” – Luiz Ruffato

O escritor mineiro Iacyr Anderson Freitas celebrou 35 anos de carreira com o lançamento, em 2016, do livro “Estação das Clínicas”. Autor de mais de 20 títulos de poesia, além de ensaios literários e contos, Iacyr trata na obra com o sentimento de perda – nas várias formas que ela pode assumir. Como indicado no título Estação das Clínicas, o poeta aborda, sobretudo, a perda de saúde.

O conto zero e outras histórias (2016 – Sérgio Sant’Anna)

Resultado de imagem para O conto zero e outras histórias Sérgio Sant'Anna capa
“O Autor consegue algo raro: manter-se num nível excelência livro após livro.” – Luiz Ruffato

Em “O conto zero e outras histórias”, Sérgio Sant’Anna mistura ficção com lembranças pessoais para contar histórias de sua residência artística em Iowa. O escritor foi para o estado americano após sair do Brasil no contexto da ditadura militar, e lá conheceu artistas do mundo inteiro. Na obra, Sérgio relata experiências como o primeiro cigarro e uma viagem com o irmão. Publicado em 2016, o livro lida com assuntos como amor, memória e solidão.

A falência (2003 – Julia Lopes de Almeida)

mulher2

“Um dos maiores nomes da literatura brasileira, injustamente esquecida por ser mulher.” – Luiz Ruffato

 A obra relata a história de uma mulher e suas duas filhas que lutam para sobreviver após a morte do marido, que se suicidou após ir à falência. A autora, Júlia Lopes de Almeida, nasceu em 1862, no Rio de Janeiro. Além de ter sido uma importante abolicionista, a escritora tem uma produção literária que inclui contos, literatura infantil, teatro, crônicas e jornalismo.

Ilusões perdidas ( 2007, Honoré de Balzac)

ilusões

“Um monumento literário, social, político e humano.” – Luiz Ruffato

Publicado em três partes no período de 1837 à 1843, “Ilusões perdidas” é um retrato da sociedade francesa do século XIX. O romance – o mais extenso escrito por Balzac – conta a história do poeta Lucien de Rubempré, que vai para Paris em busca da realização dos sonhos de carreira. A obra explora temas como disputas de poder nas classes aristocráticas e as diferenças entre a vida na capital e na província.

A dama do cachorrinho (2005, Anton Tchekhov)

trem2

“Uma excelente seleção de contos do maior escritor de todos os tempos.” – Luiz Ruffato

“A dama do cachorrinho” reúne 36 contos de Anton Tchekhov traduzidos por Boris Schnaiderman. Entre as histórias curtas contidas na obra, “A dama do cachorrinho” aborda assuntos como adultério e o surgimento do amor. Referência literária em contos, Tchekhov nasceu em Taganrog, no sul da Rússia, em 1860.

Texto: Elissa Taublib
Fotos: Divulgação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s